Diretor: Paulo Menano

SEIA INTEGRA 3 PROJETOS DE CULTURA EM REDE

Projetos apostam na valorização e promoção dos territórios e das suas identidades culturais, e funcionarão na lógica de partilha de experiências, com dinâmicas de capacitação de artistas e grupos culturais, resultando numa programação cultural diferenciadora.

 

O Município de Seia integra três candidaturas aprovadas no âmbito da “Programação Cultural em Rede”, do Programa Operacional do Centro: “Festival Cultural da Serra da Estrela”, “Projeto 5 _ 5 Municípios. 5 Culturas. 5 Sentidos” e “Terras da Transumância”. Os projetos rondam os 900 mil euros, verba repartida pelos vários municípios que integram cada projeto.

 

O projeto “Festival Cultural da Serra da Estrela”, liderado por Seia, dará continuidade à rede cultural que foi criada entre os Municípios de Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Manteigas e Seia e da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE), no âmbito da operação “Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela”.

O festival, que vai ser apresentado publicamente para a semana, visa a criação de uma rede de itinerância e intercâmbio cultural, por forma a apoiar os agentes e a economia local, bem como a definir e implementar um plano integrado de animação cultural.

O projeto tem uma duração de 18 meses e promoverá a visitação do território e a promoção e valorização da sua identidade, da sua comunidade e da sua cultura.

Este festival inclui a iniciativa CIM Fonia BSE, diretamente associada à candidatura da Guarda enquanto candidata a Capital Europeia da Cultura 2027, e contempla a realização de um concerto em cada um dos 5 municípios.

Os espetáculos serão dirigidos por orquestras nacionais e incluem a realização de masterclasses que irão privilegiar a interligação com outras artes performativas, a literatura, o paisagismo, a arquitetura, a fotografia, numa vertente elucidativa e pedagógica.

 

O “Projeto 5 _ 5 Municípios. 5 Culturas. 5 Sentidos”, que tem a duração de 12 meses e engloba os Municípios de Idanha-a-Nova, Águeda, Óbidos, S. Pedro do Sul e Seia, centra-se em ações de intercâmbio de artistas e de grupos culturais pelos cinco municípios, bem como no desenvolvimento de residências artísticas e apresentação de espetáculos itinerantes.

Esta candidatura contempla também uma Coprodução artística que permitirá contratar uma direção artística com larga experiência a nível nacional e internacional, de forma a transmitir conhecimento qualificado na área cultural aos artistas e grupos locais e, por outro lado, para gerar eventos/espetáculos capazes de atrair fluxos turísticos a nível nacional e internacional.

 

O outro projeto, designado “Terras da Transumância”, junta os Municípios de Seia, Castro Daire, Gouveia e a Agência de Desenvolvimento Gardunha XXI e contempla uma programação artística e cultural que valoriza espaços patrimoniais classificados e as tradições locais associadas à transumância.

O projeto tem a duração de 18 meses e estrutura-se em três eixos principais: a criação de uma agenda de atividades artístico-culturais em cada um dos municípios, afirmando os territórios como destinos turístico/culturais de excelência; a execução de um plano de comunicação comum e realização de um vídeo documental; e o desenvolvimento de uma coprodução artística, focada na transumância, que irá percorrer os quatro territórios.

 

Todos estes projetos, já aprovados pela Comissão de Coordenação da Região Centro, estão em fase de estruturação e oportunamente serão divulgadas as formas e termos em que os grupos locais se podem candidatar às bolsas artísticas.

 

Paralelamente, o Município de Seia participa em mais dois projetos de promoção da cultura. A “Rede Interior”, com coordenação da ASTA – Teatro e Outras Artes eque irá promover uma programação artística e cultural integrada no território constituído pelos municípios de Belmonte, Covilhã, Fornos de Algodres, Fundão, Gouveia, Manteigas e Seia.

O outro projeto que conta com a colaboração da autarquia senense, através do Centro de Interpretação da Serra da Estrela, visa a criação de um catálogo poético de instalações/performances multidisciplinares – musicais, sonoras, arquitetónicas, visuais – e desenvolve-se na aldeia de Frádigas, em Vide. O “à escuta: catálogo poético” tem como promotores Joana Sá e Luís Martins (integrou o projeto dos Deolinda).

 

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close