Diretor: Paulo Menano

PSD da Guarda alerta para desinvestimento “brutal” na Saúde

A Comissão Política Distrital do PSD da Guarda considera que o desinvestimento do Governo no setor da Saúde no distrito é “brutal” e a degradação acontece “a um ritmo assustador”.

A estrutura social-democrata presidida por Carlos Peixoto denunciou, em conferência de imprensa, que “não há ninguém que possa ficar indiferente à lastimável situação a que chegou a Saúde na Guarda”. O PSD, que chama a atenção para a “agonia da saúde” na Guarda, considera que “o desinvestimento do Governo é brutal, o desrespeito pelas pessoas é total e a irresponsabilidade pode ser fatal”.
“Por mais floreados e ilusões que se vendam, por mais que o cenário negro vivido seja pintado de cor-de-rosa avermelhado, por mais que se escondam evidências e falências sem quartel, já não há magia que disfarce a miséria que grassa no setor”, segundo Carlos Peixoto.
A distrital do PSD denuncia que o Governo, “entre palmas e abraços”, aprovou um Orçamento do Estado “que em 2019 reduz em quase 15 milhões de euros a dotação para a Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda”.
“Só em material de consumo clínico, aquele de que todos os utentes precisam como de pão para a boca para se tratarem e para recuperarem de uma doença, o corte foi de 2,4 milhões de euros. No próximo ano, vai faltar tudo, menos a indignação e a vergonha de quem nos impõe tamanha míngua”, relata.
Segundo a Comissão Política Distrital do PSD, “o Governo propagandeia êxitos ímpares, mas não diz que a ULS da Guarda deve mais de um milhão de euros às corporações de bombeiros do distrito que, à semelhança de outras do país, estão a um passo de deixar de fazer transportes de doentes não urgentes”.
No Hospital da Guarda “só há dois especialistas de cardiologia, com a agravante de que só atendem urgências duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras, os únicos dias em que os guardenses podem sofrer do coração”, aponta, como exemplo.
O partido lembra ainda que “as camas dos serviços de Cirurgia, Ortopedia e Cardiologia encerradas há mais de cinco meses, por falta de pessoal de enfermagem, continuam a repousar sem uso, com enormes prejuízos para a qualidade de prestação de cuidados aos doentes”.
A estrutura social-democrata da Guarda considera ainda que “os executivos socialistas têm sido os coveiros políticos do Hospital da Guarda”. O poder político, acrescenta, “tem de se definir de uma vez por todas e de esclarecer o que quer fazer com a ULS da Guarda, revelando o papel que lhe quer reservar no panorama regional”.
O PSD exorta o Governo “a agir, a investir e a tratar a população do distrito da Guarda com o respeito que ela merece, oferecendo-lhe um serviço de saúde de qualidade, de proximidade e capaz de servir e salvar vidas.
“A degradação do setor acontece a um ritmo assustador e assim, sem nenhum sobressalto cívico, muito se vai perdendo para outros lados”, alerta a estrutura social-democrata presidida por Carlos Peixoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close