Diretor: Paulo Menano

PS da Guarda manifesta “muita preocupação” com processo judicial que envolve a Câmara

A Comissão Política Concelhia do PS da Guarda manifesta “muita preocupação” com o processo judicial que envolve eleitos do PSD e dois funcionários da Câmara Municipal e disse esperar que as suspeitas “não se venham a confirmar”.

PS/Guarda refere, em comunicado, que “tomou conhecimento das investigações do Ministério Público envolvendo três dirigentes políticos e dois funcionários da Câmara Municipal da Guarda, tendo já sido constituídos arguidos e deduzida acusação”.

Na passada quinta-feira, a estação televisiva SIC noticiou que o eurodeputado Álvaro Amaro e ex-presidente da Câmara da Guarda, o atual presidente, Carlos Chaves Monteiro, o vereador da Cultura, Victor Amaral, e duas técnicas superiores “vão responder por fraude na obtenção do subsídio que financiou a festa de Carnaval em 2014”.
“A acusação do Departamento de Instrução e Ação Penal (DIAP) de Coimbra foi deduzida já depois das eleições europeias e propõe que os políticos percam o mandato e que as funcionárias sejam proibidas de exercer funções”, adiantou a SIC.
Esta terça-feira, a concelhia socialista da Guarda, presidida por Agostinho Gonçalves, refere que “vê com muita preocupação o alegado envolvimento de responsáveis políticos e da administração autárquica em práticas que alegadamente violam a lei”.
O partido espera “que as suspeitas não se venham a confirmar e que, assim, possa ser reposta rapidamente a normalidade” da vida autárquica na Guarda. “O PS reafirma, neste caso, como em todos os outros, a defesa intransigente do princípio da presunção da inocência, enquanto valor inestimável de um Estado democrático garante dos direitos individuais dos cidadãos”, conclui a nota.
O social-democrata Álvaro Amaro, que renunciou ao mandato autárquico na Guarda para assumir o cargo de deputado no Parlamento Europeu, na sequência das eleições de 26 de maio, foi também constituído arguido no âmbito da operação “Rota Final”.
Na semana passada, a Polícia Judiciária realizou buscas a 18 câmaras municipais do Norte e Centro de Portugal, sendo a operadora de transportes públicos Transdev também uma das visadas.
Recorde-se que a operação ‘Rota Final’ investiga um alegado esquema fraudulento de viciação de procedimentos de contratação pública.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close