Diretor: Paulo Menano

Projecto EuroAGE promove envelhecimento activo em Portugal e Espanha

Cerca de vinte investigadores de instituições nacionais e espanholas, entre elas o Instituto Politécnico da Guarda (IPG) estão envolvidos no projeto EuroAGE – “Iniciativas inovadoras para a promoção do envelhecimento ativo na Região EUROACE” que visa a criação de iniciativas inovadoras para a promoção do envelhecimento ativo dos habitantes de ambos os lados da fronteira.

O projeto EuroAGE arrancou em abril de 2017 com a assinatura do acordo entre as entidades envolvidas e desenvolve-se até 2020. A iniciativa pretende “promover o envelhecimento ativo através da atividade física, cognitiva e emocional com o intuito de melhorar a qualidade de vida e aumentar a esperança de vida saudável, tendo por base o conhecimento científico e técnico de ambos os países”.
O projeto envolve os Institutos Politécnicos da Guarda e de Castelo Branco, a Universidade de Coimbra, o Centro de Cirurgía de Mínima Invasión Jesús Usón (Cáceres), o Cluster Sociosanitario de Extremadura-Cáceres e a Universidade de Extremadura (Espanha) e tem um custo total de 1,2 milhões de euros e um financiamento do FEDER de 919 mil euros.
Segundo Carolina Vila-Chã, responsável pela equipa do Instituto Politécnico da Guarda (IPG), o projeto EuroAGE tem duas grandes áreas: “Tem uma área mais associada à parte da robótica e outra associada mais à literacia e ao desenvolvimento de jogos para a função cognitiva, estimulação física e interação social”.
Na Guarda, os trabalhos desenrolam-se no Laboratório de Avaliação do Rendimento Desportivo, Exercício Físico e Saúde da Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto do IPG. Segundo a responsável numa primeira fase, foi feito o levantamento das necessidades da população idosa abrangida. “Estivemos essencialmente no terreno a ver, junto com os técnicos e com os idosos, de que forma é que estas tecnologias podem ser uma mais-valia para as instituições e para as pessoas que trabalham diretamente com os idosos, no sentido de ter mais uma ferramenta que estimule o idoso tanto do ponto de vista cognitivo, físico e social, porque sabemos que estimulando esse ponto de vista, as pessoas acabam por ter mais autonomia e viverem de forma independente por muito mais tempo”, explicou.
Neste momento, estão a ser desenvolvidos conteúdos informativos que ajudem a esclarecer a “importância da estimulação física e cognitiva para as pessoas se manterem em autonomia pelo período maior de tempo possível”.
A responsável pela equipa do IPG no projeto EuroAGE adiantou que estão envolvidos cerca de 60 idosos de ambos os lados da fronteira e o objetivo é “ultrapassar os 100”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close