Diretor: Paulo Menano

Portugal, Espanha e França criam novo roteiro europeu para arte rupestre

Portugal, Espanha e França uniram-se, no Museu do Côa, através de um protocolo, com o objetivo de criar um “itinerário europeu robusto” dedicado à arte rupestre de sítios tão distritos como Altamira, Lascaux, Vale Côa e Siega Verde. Três países europeus, com sítios da arte rupestre classificados pela UNESCO, partem agora para novas descobertas, em territórios transfronteiriços.

“Este protocolo serve para abrir o diálogo sobre arte rupestre, entre os poderes políticos dos três países envolvidos nesta ação. Ao mesmo tempo, pretendemos que os técnicos que trabalham na arte rupestre de Portugal, Espanha e França possam partilhar conhecimentos e experiências para se ganhar escala a nível europeu, no sentido de criar um verdadeiro itinerário cultural europeu robusto”, disse o presidente da Fundação Côa Parque, Bruno Navarro.
A ideia, agora firmada, servirá, de acordo com as partes envolvidas, para atrair cada vez mais turistas a cada uns dos sítios arqueológicos e captar fundos europeus.
“Estamos a falar de três regiões europeias como a Cantábria (Espanha), a Dordonha (França) e o Vale do Côa (Espanha e Portugal), que têm muito em comum, como a sua classificação e reconhecimento por parte da UNESCO, ou a sua raiz agrícola, onde o património pode servir de porta de entrada para uma cooperação, não só cultural, mas também turística e económica”, frisou o responsável pelo Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa. Agora, o trabalho a desenvolver nestes três sítios arqueológicos da arte rupestre, passará para a esfera transfronteiriça, num programa já aprovado por Portugal e Espanha, ao qual França se junta agora.
O conselheiro de Cultura do Governo de Cantábria (Espanha) Francisco Fernandez Manhanes destacou que este caminho foi iniciado pelas regiões de Dordonha e Cantábria, dado o seu potencial ao nível de arte rupestre, mas sempre conscientes de que seria necessário juntar mais parceiros. “O nosso objetivo é criar uma rede europeia de arte rupestre, à qual se vão juntar outras regiões, como as Astúrias. É importante este intercâmbio europeu, já que há uma aprendizagem comum para todos estes territórios”, observou o conselheiro.
Para a delegação francesa presente na Cimeira Internacional do Vale do Côa, representada pelo presidente do Conselho Departamental da Dordonha, Germinal Peiro, trata-se de um protocolo importante para Laucaux, que, apesar de ser um sítio importante da arte rupestre, não pode trabalhar sozinha. “Ao trabalhar em conjunto três países da Europa, estamos ao mesmo tempo a trabalhar em conjunto para o mundo”, enfatizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close