Mais Beiras Informação

Informação regional

Poeta português Ernesto Manuel de Melo e Castro morreu aos 88 anos

O poeta, ensaísta e artista plástico português Ernesto Manuel de Melo e Castro, que vivia no Brasil, morreu aos 88 anos. Foi pioneiro da poesia experimental em Portugal. O poeta era natural da Covilhã. O município já manifestou o seu pesar. “A Covilhã perdeu um dos seus mais notáveis artistas: Ernesto Manuel Geraldes de Melo e Castro.
Nascido na Covilhã, pai da conhecida artista “Geninha” (Eugénia) Melo e Castro, foi poeta, ensaísta, crítico e artista plástico, com destacado pioneirismo na Poesia Experimental, na Videopoesia e na Arte Tecnológica.
Formado em Tecnologia Têxtil em Bradford (Inglaterra) e Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (Brasil), a sua vida, como ele próprio referiu, «deu-se entre o tecido e o texto».
O tecido representava-lhe «qualquer coisa nova e diferente que nasce: o tecido é, por isso, uma metáfora do nascimento».
A poesia e os poetas constituíam «aquilo a que se vai chamando a cultura poética portuguesa, que sempre esteve ligada à liberdade”, mesmo em tempos de Ditadura.
A morte de um artista iluminado, questionador e profundo, criativo e transformador como Ernesto Melo e Castro, só pode ser a metáfora de um renascer, livre e pleno, porque da sua vida e obra ficarão sempre indeléveis memórias. Na sua Cidade e nos Covilhanenses, inquestionavelmente.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close