Diretor: Paulo Menano

Guarda protesta pelo número diminuto de vagas na ULS

A Assembleia Municipal da Guarda aprovou esta segunda-feira, por unanimidade, um voto de protesto pela abertura de um número reduzido de vagas para a carreira médica hospitalar na Unidade Local de Saúde (ULS). Na mesma assembleia foi aprovada uma moção contra a violência doméstica, exigidindo que o Governo e a Assembleia da República “tomem o combate à violência de género como prioridade política efetiva”.

A Assembleia Municipal da Guarda, presidida por Cidália Valbom (PSD), aprovou por unanimidade “apresentar ao Governo e ao Ministério da Saúde um voto de protesto pelo número diminuto de vagas abertas para a carreira médica hospitalar na ULS da Guarda, no mais recente procedimento concursal”. O voto de protesto foi apresentado pelo deputado municipal do CDS-PP Henrique Monteiro.

No documento, é também apresentado “um protesto pela insensibilidade que essa decisão demonstra perante as carências vividas” naquela unidade de saúde, “acentuando ainda mais a discriminação das pessoas” que vivem no concelho e distrito da Guarda, no que respeita ao acesso aos cuidados de saúde. Segundo o documento apresentado pelo CDS-PP, no caso da ULS da Guarda, “são do conhecimento público as dificuldades ao nível, entre outras, de especialidades como Cardiologia, Ortopedia, Radiologia, Gastrenterologia, Otorrinolaringologia, Urologia e Oftalmologia, algumas das quais em quase situação de paralisação, por falta de recursos humanos médicos”.
“Surpreendentemente, no recente procedimento concursal para médicos recém-especialistas, à ULS da Guarda foram atribuídas apenas seis das 57 vagas abertas para a região Centro, o que contraria a propalada aposta deste Governo no combate à interioridade e ao despovoamento do interior”, é referido. Para o partido, “este número é manifestamente insuficiente para garantir a qualidade e acesso da população aos cuidados de saúde, face à situação de absoluta necessidade existente nas especialidades de Cardiologia, Ortopedia, Anestesiologia, Anatomia Patológica, Gastrenterologia, Medicina Interna, Neurologia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica, Pneumologia, Psiquiatria e Radiologia”.
Segundo o CDS-PP, “este contexto de carência extrema na ULS da Guarda é conhecido de todos e deveria fazer com que o Ministério da Saúde tivesse maior atenção para quem tem maiores dificuldades, o que efetivamente não acontece”.
Sobre o assunto, pronunciou-se apenas o deputado municipal do PS Matias Coelho. “Protestar para conseguir mais, quem é que não deve protestar? Nesse sentido, concordo com o voto de protesto e vou votar a favor”, declarou.

“Violência de género como prioridade política efetiva”
A Assembleia Municipal da Guarda aprovou ainda, por unanimidade, uma moção do Bloco de Esquerda (BE), apresentada por Marco Loureiro, pelo combate à violência do género e doméstica. Na moção é exigido que o Governo e a Assembleia da República “tomem o combate à violência de género como prioridade política efetiva”. O documento também defende que o município da Guarda elabore um Plano Municipal contra a Violência de Género e coloque em funcionamento um Gabinete Municipal para a Igualdade de Género e combate à Violência Doméstica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close