Mais Beiras Informação

Informação regional

Associação Amigos da Serra da Estrela diz que tapete rolante é mais uma ilegalidade

A Associação Amigos da Serra da Estrela (ASE) está a favor da remoção do tapete rolante da Estância de Esqui e frisou que aquela obra foi mais uma “ilegalidade”.

“Esta forma de atuar da Turistrela é recorrente. Primeiro consuma-se o ato e logo se legaliza”, frisa a ASE em comunicado, referindo-se à empresa concessionária do turismo da serra da Estrela e proprietária da Estância de Esqui.
A posição da ASE surge depois de ter sido tornado público que foi emitida uma Declaração de Impacto Ambiental (DIA) “desfavorável” relativa à colocação deste tapete rolante na Estância de Esqui da Serra da Estrela.
A decisão também obriga a que o tapete tenha de ser retirado do local, uma vez que ali foi colocado, em 2015, sem licenciamento prévio.
Tal como é apontado no processo, o tapete rolante visou substituir o antigo telesqui, mas os procedimentos para a legalização só foram iniciados depois de os trabalhos terem sido embargados. Chegada à fase final, a comissão de avaliação do estudo de impacto ambiental chumbou o projeto, invocando fatores “ecológicos e condicionantes ambientais”. Argumentos que a ASE partilha, considerando que a DIA foi um modo de “dizer basta à Turistrela e à sua forma de atuar”: “Não será fácil, mas o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) sabe que nos terá sempre como parceiros quando pretender evitar a destruição de valores naturais”, aponta aquela associação em comunicado. Frisando que este caso “despertou consciências e já há quem defenda que o Estado deve equacionar a concessão do turismo da Serrra da Estrela à Turistrela”, a ASE também teme que isto não passe de “uma pequena tempestade” e que, assim que acalme, se volte ao habitual, ou seja, que o tapete rolante ali continue, “até que algum Conselho de Ministros decida legalizá-los administrativamente”.
Entretanto, logo no início da semana, a Turistrela informou que vai interpor uma providência cautelar para suspender a obrigatoriedade de remover o tapete e que, paralelamente, vai avançar com uma ação judicial para mostrar que a decisão de chumbar a DIA está “menos bem fundamentada”. Artur Costa Pais, administrador da Turistrela, garantiu ainda que foram respeitadas todas as regras ambientais e sugeriu que a análise do Estudo de Impacto Ambiental possa ser feita por uma “entidade independente”, quer à Turistrela, quer ao Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ao continuar a usar o site, você está a concordar com a utilização de cookies. mais informação

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação possível. Se continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, você concorda com isso.

Close